Poème à mon frère blanc – Léopold Sedar Senghor

Cher frère blanc,
Quand je suis né, j’étais noir,
Quand j’ai grandi, j’étais noir,
Quand je suis au soleil, je suis noir,
Quand je suis malade, je suis noir,
Quand je mourrai, je serai noir.

Tandis que toi, homme blanc,
Quand tu es né, tu étais rose,
Quand tu as grandi, tu étais blanc,
Quand tu vas au soleil, tu es rouge,
Quand tu as froid, tu es bleu,
Quand tu as peur, tu es vert,
Quand tu es malade, tu es jaune,
Quand tu mourras, tu seras gris.

Alors, de nous deux,
Qui est l’homme de couleur ?

Achei esse poema simplesmente genial! Sei pouco do autor, apenas que foi um escritor senegalês que desempenhou importante papel na independência do Senagal e do movimento negro, sendo inclusive presidente de seu país por 20 anos. Mas não sei dizer os detalhes, ou outras obras dele, conheço apenas esse poema.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poème à mon frère blanc – Léopold Sedar Senghor

  1. Bárbara disse:

    Conhecia a tradução já! Mto bom, né! Achei, inclusive, que tivessemos lido isso na escola…

    Eu sempre digo: daria tudo para não ficar vermelha por causa do calor, de vergonha, de raiva, de nervosismo… aiai. Ser branquela é foda.

    Bjos,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s